Vereadores são presos em Teresópolis

Rio - Seis dos 12 vereadores que integram a Câmara dos Vereadores de Teresópolis, na Região Serrana do Rio, foram presos na manhã desta sexta-feira.

Rock, Dra. Cláudia, Pastor Luciano, Dedê da Barra, Ronny Carneiro e Leonardo Vasconcellos de Andrade – Reprodução

Rio – Seis dos 12 vereadores que integram a Câmara dos Vereadores de Teresópolis, na Região Serrana do Rio, foram presos na manhã desta sexta-feira. A Operação Ananas foi desencadeada pelo Ministério Público do Rio e a Polícia Civil, e o grupo é acusado de associação criminosa para a prática dos crimes de concussão e peculato. As informações são da GloboNews.

Os alvos da Justiça são: Claudia Lauand, a Dra. Claudia (PP); Eudilbelto José Reis, o Dedê da Barra (PMDB); Leonardo Vasconcellos de Andrade (PMDB); Luciano dos Santos Cândido, o Pastor Luciano (PRB); Rocsilvan Rezende da Rocha, o Rock (PSDB); e Ronny Santos Carreiro (PHS).

Vereadora Claudia Lauand – Estefan Radovicz / Agência O D

De acordo com o Diário de Teresópolis, o vereador Dedê da Barra foi encontrado pela polícia internado na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e foi escoltado por policiais para a Cidade da Polícia, no Jacaré, Zona Norte do Rio. Os outros quatros presos também foram levados para o local. Já o Pastor Luciano não foi encontrado pelos agentes.

A investigação reuniu integrantes do Grupo de Atribuição Originária Criminal (Gaocrim), da Procuradoria-Geral de Justiça; Coordenadoria de Segurança e Inteligência, do MP; Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MP; e da Delegacia Fazendária, da Polícia Civil. A Justiça também expediu sete mandados de busca e apreensão que foram cumpridos, entre outros locais, na Câmara de Vereadores.

Vereadores de Teresópolis são presos e chegam à Cidade da Polícia. Na foto, o VereadorLeonardo Vasconcelos. Estefan Radovicz / Agência O Dia Byline – Estefan Radovicz / Agência O Dia

De acordo com as investigações, o grupo de vereadores teria se unido para pressionar e exigir do ex-prefeito Mario Tricano a indicação de empresas que, sem o processo de licitação, deveriam ser contratadas. Os funcionários dessas firmas iriam trabalhar como iluminação pública municipal, serviços cemiteriais, estacionamento rotativo pago e saneamento básico no município.

Ainda segundo a reportagem da GloboNews, os vereadores ainda teriam exigido a contratação de pessoas indicadas por eles para cargos comissionados na Prefeitura de Teresópolis. Caso não cumprisse com as propostas, o ex-prefeito sofria ameaçado de cassação de mandato e rompimento político.

Fonte: O Dia

Share This:

COMMENTS

WORDPRESS: 0